O aniversário duplo
e a superstição com agosto

Publicado em 2 de setembro de 2016
por Welington Gonzaga
O aniversário duplo <br>e a superstição com agosto
# Crônica #
1
Não sou da época em que as pessoas nasciam num dia e eram registradas em cartório semanas ou meses depois. Mesmo assim, em 1984, nasci em 31 de agosto mas fui registrado somente no dia 1º de setembro. É uma diferença de apenas um dia, mas que desde a infância sempre foi motivo para confusão.

Antes da idade escolar, entre os familiares, a comemoração do aniversário era no dia 31 de agosto. Mas lá pelos sete anos, quando já estava na Escola Estadual Padre Luiz Moreno, em Nova Resende (MG), passei a internalizar a data oficial. Recordo que certa vez uma funcionária da secretaria da escola soube da história e, depois de me chamar num canto como que para confidenciar algo em voz baixa, disse que eu não poderia continuar vivendo daquela forma. O que queria dizer era que seria melhor esquecer o dia 31 de agosto e passar a considerar apenas o dia 1º de setembro.

A partir de então começou o trabalho mental para lembrar que a comemoração do aniversário era no início do nono mês do ano. Meus pais, que não tiveram aquela conversa com a moça da secretaria da escola, continuaram a considerar o aniversário no dia 31 de agosto.

Com o passar do tempo, o que era motivo para confusão virou vantagem, pois praticamente toda a fase adulta foi de duas datas de congratulações. Quem não gostaria de comemorar o aniversário durante 48 horas seguidas? A maior vantagem de todas estava em poder comemorar por dois dias e aumentar apenas uma unidade na contagem dos anos de vida. Dois aniversários, mas apenas uma nova idade. A confusão converteu-se em privilégio para quem nasceu num dia e foi registrado noutro.

O responsável pela causa do aniversário duplo foi meu pai. Pelo que havia sido revelado na adolescência, ele tinha certa superstição com agosto. Era um mês considerado como do cachorro louco, do tempo seco e do desgosto.

A crendice sempre acompanhou agosto desde a antiguidade. Ainda hoje, em pleno século 21, as pessoas ainda reclamam nas redes sociais da demora para acabar esse mês de 31 dias. A superstição talvez exista porque, ao longo da história, acontecimentos ruins marcaram a humanidade nos agostos. Poucos recordam, por exemplo, que a Princesa Diana morreu num dia 31 de agosto, em 1997. O impeachment da presidente Dilma Rousseff aconteceu num 31 de agosto. Há relatos de que entre os romanos esse mês já era considerado um período azarento. O assunto rende até artigo de revista. A última edição da revista “Aventuras na História” (leia aqui) trouxe um texto interessante que relata vários motivos para tanta polêmica acompanhar o tal mês.

Se são verdadeiras ou não as maldições relacionadas ao mês de agosto ninguém vai descobrir. O que sei é que, graças ao meu pai, escapei das imprecações de agosto.

Um Comentário

  1. Welington Gonzaga disse:

    Deixe seu comentário aqui nesse espaço. Qual sua opinião a respeito desse artigo? Conhece alguém que também tem aniversário duplo?

Deixe seu comentário