“Nise – O Coração da Loucura”
mostra a arte da insanidade real

Publicado em 23 de agosto de 2016
por Welington Gonzaga
“Nise – O Coração da Loucura” <br>mostra a arte da insanidade real
# Filme Nacional #
1

O cinema tem a capacidade de levar ao conhecimento do grande público personagens importantes da História e do mundo real. O que não faltam são exemplos de cinebiografias. Algumas retratam a trajetória completa do homenageado e outras mostram apenas um fragmento importante da vida. É o caso do filme brasileiro “Nise – O Coração da Loucura” (veja o trailer nos comentários), lançado nos cinemas do Brasil em 21 de abril de 2016, que traz o trabalho pioneiro da médica alagoana Nise da Silveira (1905-1999) durante a implantação de terapias ocupacionais em tratamentos psiquiátricos.

O drama dirigido por Roberto Berliner se passa na década de 1940. Ao chegar no Centro Psiquiátrico Pedro II, no Rio de Janeiro, Nise encontra uma realidade degradante nas instalações do hospital que acolhe doentes mentais. Além do machismo dos colegas de profissão, a médica precisa lidar com os preconceitos relacionados às suas propostas de terapias ocupacionais e, ainda, se posicionar contra os tratamentos em voga na época, que envolviam eletrochoques e lobotomias (o corte no lobo frontal do cérebro era usado no tratamento de casos graves de esquizofrenia).

Quem vive Nise da Silveira no cinema é Glória Pires. A atriz acerta a medida para explorar sua veia dramática através do papel. Com pouca vaidade – e menos ainda maquiagem – Glória Pires prova maturidade na interpretação. É uma Glória Pires diferente daquela vista em papéis banais de comédias nacionais ou em folhetins da televisão. Os personagens secundários também se destacam no filme. Os atores Claudio Jaborandy, Simone Mazzer e Flavio Bauraqui roubam a cena, respectivamente, como Emygdio de Barros, Adelina Gomes e Otávio Ignacio.

Durante o 28th Tokyo International Film Festival, realizado de 22 a 31 de outubro de 2015, “Nise – O Coração da Loucura” recebeu o prêmio Tokyo Grand Prix de melhor filme. Glória Pires venceu na categoria melhor atriz (veja aqui a lista completa dos vencedores). Já em solo brasileiro o filme foi escolhido como melhor longa de ficção durante o Festival do Rio (veja lista completa). O filme ainda foi selecionado e premiado em diversos festivais nacionais e internacionais (confira a lista no site da produtora do filme).

No exterior “Nise – O Coração da Loucura” foi lançado com o título “Nise – The Heart of Madness“. Após o bom resultado no Festival do Rio, o filme recebeu uma crítica positiva do site especializado em cinema The Hollywood Reporter (leia aqui). O repórter Jonathan Holland escreveu que “sabiamente, o diretor Roberto Berliner se concentra em um curto período de vida de Nise da Silveira, o tempo no início dos anos 40, quando, recém-saída da prisão por suas crenças marxistas, ela passou um tempo em uma instituição psiquiátrica no Rio onde mostrou aos seus pacientes que a criação artística poderia ser uma terapia“.

Um Comentário

  1. Welington Gonzaga disse:

    Para quem ficou interessado em assistir a esse belo filme brasileiro, segue o trailer para ter uma prévia de como realmente vale a pena assisti-lo.

    Você já assistiu ao filme? O que achou? Deixe aqui sua opinião.

Deixe seu comentário