Uma aula de jornalismo com o filme “Spotlight”

Publicado em 15 de fevereiro de 2016
por Welington Gonzaga
Uma aula de jornalismo com o filme “Spotlight”
# Jornalismo Investigativo #
0

O nome da equipe composta por quatro jornalistas especializados em reportagens investigativas é “Spotlight”. Desde a década de 1970 que o jornal The Boston Globe mantém essa equipe dedicada a reportagens especiais. O “The Boston Globe” é um jornal impresso norte-americano que circula no estado de Massachusetts (cuja capital é Boston) e na Nova Inglaterra (região compreendida pelos estados de Connecticut, Maine, Massachusetts, Nova Hampshire, Rhode Island e Vermont).

No ano de 2001, após a chegada de um novo editor ao jornal, Martin Baron, a equipe “Spotlight” é designada para investigar casos de pedofilia cometidos por padres da Igreja Católica. Mas, mais do que isso, o jornal pretende não apenas mostrar os casos de abusos cometidos por clérigos como também denunciar o envolvimento do alto escalão da Igreja no acobertamento dos fatos. A primeira reportagem da série investigativa do “The Boston Globe” foi publicada na edição de 06 de janeiro de 2002 e pode ser lida neste link que leva ao site oficial do jornal.

A repercussão do trabalho da “Spotlight” foi tamanha que outros casos de pedofilia envolvendo padres vieram à tona imediatamente após a publicação da matéria. Conforme retratado no filme “Spotlight – Segredos Revelados“, os telefones do jornal não paravam de tocar devido aos chamados de outras vítimas de abusos que resolveram denunciar, motivadas pela reportagem. Foi uma avalanche de denúncias que extrapolou os limites da cidade de Boston. No final do filme há uma extensa lista das localidades de onde partiram denúncias de casos de pedofilia envolvendo padres da Igreja Católica. Há quatro casos ocorridos no Brasil conforme pode ser visto na relação a seguir.

relacao-casos-denunciados-pedofilia

O trabalho da equipe “Spotlight” foi premiado com o Pulitzer – considerado o maior prêmio do jornalismo mundial, criado em 1918 – no ano de 2003, “por sua corajosa e abrangente cobertura de abuso sexual por padres, um esforço que enfrentou o sigilo e causou reações local, nacional e internacional, produzindo mudanças na Igreja Católica Romana”. Os interessados em conhecer a história desta equipe investigativa do “The Boston Globe” pode fazer o download gratuito de um e-book (em inglês) neste link disponibilizado no site do jornal.

O filme “Spotlight – Segredos Revelados” concorre ao Oscar de melhor filme, em 2016, além de ser indicado em outras cinco categorias: melhor diretor (Tom McCarthy), melhor roteiro original, melhor montagem, melhor atriz coadjuvante (Rachel McAdams) e melhor ator coadjuvante (Mark Ruffalo). O filme é uma verdadeira aula para quem quer aprender mais sobre o trabalho investigativo no jornalismo.

pfeiffer-e-rezendes-reais

É possível entender, por exemplo, o significado de “off the record“. Trata-se de uma expressão muito usada para indicar que uma informação é obtida de maneira confidencial, normalmente sem revelar o nome da fonte. É comum o uso da expressão “em off” também para dizer que a informação foi obtida de maneira não oficial, sem gravação ou algo do tipo. É a obtenção de uma informação importante de modo informal ou extra-oficial.

Qual a importância de um bloco de anotações para um jornalista? O filme mostra que papel e caneta são indispensáveis aos jornalistas em todos os lugares. Folhas encadernadas com espiral ao topo são as mais indicadas para quem precisa escrever de pé, sentado ou até mesmo andando. Com uma da mãos o jornalista empunha a caneta e com a outra segura firmemente as folhas. Papel e caneta intimidam menos as fontes. Além do mais, gravadores, câmeras ou celulares não são bem aceitos em todos os ambientes.

Outra lição ensinada em “Spotlight” é que, dependendo da situação, o jornalista deve ter a elegância de pedir a autorização da fonte para anotar o que ela está dizendo. E um detalhe não mencionado no filme, mas muito importante: se vier a abreviar palavras ou criar códigos em suas anotações, o jornalista precisa ter certeza de que conseguirá decifrá-los depois.

bloco-de-anotacoes-spotlight

Há uma cena em que o editor recém-chegado ao jornal procura o Departamento de Publicidade para informar o início de uma investigação negativa para a imagem da Igreja Católica. O responsável pelo setor de publicidade alerta que 53% dos leitores do jornal são católicos. Mesmo assim o editor segue adiante com a investigação. o//

Através do filme compreende-se também as relações de poder mantidas entre as instituições. Logo após sua chegada, por exemplo, o novo editor é convidado a visitar o representante da Diocese de Boston. De maneira sutil e amigável, durante a conversa, o representante da Igreja propõe o apoio mútuo entre as duas instituições. Mas o editor – que é um ético profissional da comunicação – responde “Obrigado. Mas, pessoalmente, eu acho que para um jornal funcionar bem, de fato, ele precisa permanecer sozinho“.

martin-e-carroll-reais

Ao final do filme, antes da lista com os locais onde foram descobertos escândalos sexuais envolvendo padres, aparece em texto com os desdobramentos da reportagem: “Desde 2002, a equipe do Spotlight publicou cerca de 600 histórias sobre o escândalo. 249 padres e irmãos foram acusados publicamente de abuso sexual na Arquidiocese de Boston. O número de sobreviventes em Boston estimado é maior do que 1.000. Em dezembro de 2002, o Cardeal Law renunciou a Arquidiocese de Boston. Foi transferido para a Basílica de Santa Maria Maggiore, em Roma, uma das mais poderosas Igrejas Católicas Romanas em todo o mundo”.

michae-keatan-e-robby

Deixe seu comentário