Albert Nobbs, o homem que nasceu mulher

Publicado em 12 de Fevereiro de 2016
por Welington Gonzaga
Albert Nobbs, o homem que nasceu mulher
# Travestismo #
0

Glenn Close é literalmente “o cara” neste filme. O desempenho da atriz americana como Albert Nobbs é tão impressionante que lhe rendeu uma indicação ao Oscar no ano de 2012. Além da atuação, a maquiagem também foi indicada ao prêmio. Mas em ambas categorias “Albert Nobbs” perdeu para “A Dama de Ferro” ― Meryl Streep e sua maquiagem levaram a estatueta.

albert nobbs imagem conteudo

“Albert Nobbs” foi lançado no ano de 2011. Dirigido pelo colombiano Rodrigo García, o filme conta a história de um garçom de hotel chamado Albert Nobbs. Na verdade, Albert Nobbs é uma mulher que se veste como homem para se manter no emprego. Porém, o motivo real que a faz travestir vai além, sendo revelado ao longo do filme. Sem muito esforço o espectador é colocado a imaginar como era difícil ser mulher no início do século XIX, ou seja, ao longo dos anos 1800. A história é baseada num conto do romancista irlandês George Moore.

Numa época em que as relações de trabalho eram descaradamente exploratórias, Albert Nobbs é um sobrevivente que busca ser o mais reservado possível para não ser descoberto pelos colegas ou pela dona do hotel em que trabalha. Em segredo mantém também suas economias. Faz conta de cada centavo que ganha ― inclusive as gorjetas ― e sonha um dia ter o próprio negócio, uma tabacaria.

Mas em certa ocasião uma visita inesperada leva Albert Nobbs a repensar os rumos de sua vida. A dona do hotel contrata um pintor chamado Senhor Page e o coloca para passar a noite no mesmo quarto que Albert Nobbs. Obviamente, Nobbs receava ter seu segredo descoberto. Contudo, para sua surpresa, o Senhor Page também era uma mulher travestida de homem ― quem dá vida ao Senhor Page é a atriz Janet McTeer, que também foi indicada ao Oscar 2012 como melhor atriz coadjuvante.

“Albert Nobbs”, atualmente, está disponível no Netflix! Aproveite e assista agora mesmo (veja o trailer no final do texto). É uma obra para refletir sobre o que representa socialmente ser homem ou ser mulher. Tal reflexão vale para o passado e o presente.

 

 

Deixe seu comentário