Você, um ilustre colaborador do Facebook

Publicado em 23 de junho de 2015
por Welington Gonzaga
Você, um ilustre colaborador do Facebook
# Redes Sociais #
0

Colaborador é uma palavra que muitas empresas usam para denominar seus funcionários ou membros de uma equipe. É um profissional que, geralmente, disponibiliza seus serviços em troca de um salário ou benefício. Outra definição para colaborador é “quem escreve para periódicos regularmente, sem pertencer a seu quadro permanente de redatores ou colunistas“. E, então, conseguiu se ver como um colaborador do Facebook e de outras redes sociais?

A produção de conteúdo é o que mantém os usuários nas redes sociais. Quem não produz conteúdo próprio, no mínimo, compartilha o que é produzido por terceiros. E o que cada um de nós ganha com isso? A maioria dos usuários comuns, nada. Mas quanto ganha Mark(eting) Zuckerberg, criador do Facebook? Milhões a cada ano.

De acordo com reportagem publicada pela Folha de São Paulo, em janeiro de 2015, no ano passado “a receita (do Facebook) foi de US$ 12,47 bilhões, incremento de 58,3% em relação a 2013, quando fora de 7,87 milhões“. O texto cita ainda que, atualmente, o Facebook atingiu a marca de 1,4 bilhão de usuários. São números que mostram o potencial da rede social para fazer dinheiro e, assim, nós, usuários, trabalhamos gratuitamente para essa empresa. Alguns chegam a cumprir carga horária de 8 horas diárias conectados, ou seja, são funcionários dedicados que ainda sentem gratidão por trabalharem de graça. Basta nome de usuário e senha para entrar no quadro de funcionários e bater ponto.

Além de lucrar com a dedicação e tempo de seus usuários comuns, as redes sociais ainda contam com a receita dos anúncios. As propagandas estão sempre presentes, algumas disfarçadas como conteúdo interessante, outras escancaradamente publicadas como anúncios patrocinados. E nenhum funcionário, ou melhor, usuário se queixa!

Bastaria organizar uma data para um boicote mundial ao Facebook. Se o mundo ficasse offline apenas por um dia, certamente haveria repercussão nas bolsas de valores do mundo todo. Mas as pessoas não abrem mão de dar uma bisbilhotada nas atualizações, nem que seja para saber o que estão dizendo sobre um proposto boicote.

Se as ferramentas para ganhar dinheiro na rede fossem do conhecimento de todos, a maioria iria preferir manter um site pessoal a um perfil em rede social. Na conjuntura atual, os 100 dólares que cada usuário poderia ganhar por mês com produção de conteúdo vão todos para o Facebook.

O ideal é produzir conteúdo para um site ou blog monetizado e usar as redes sociais apenas para compartilhar os links do conteúdo na íntegra. Fica a dica!

Deixe seu comentário