Uma ideia na cabeça
e uma câmera na mão

Publicado em 20 de abril de 2014
por Welington Gonzaga
Uma ideia na cabeça <br>e uma câmera na mão
# Cloverfield #
0

O que lhe faz querer assistir a um filme? Um ator ou atriz favorito? Um diretor em especial? Uma crítica positiva da imprensa especializada ou comentários de amigos acerca de uma obra audiovisual? “Cloverfield” conquistou-me apenas pelo seu pôster de divulgação. Claro que, assim como um livro, um filme não merece ser julgado pela sua capa. Mas é inevitável, às vezes, despertar o interesse num filme por conta de uma única imagem.

Imaginar a Estátua da Liberdade, em Nova York, com sua cabeça arrancada e a cidade destruída ao fundo, faz o espectador querer saber a causa do estrago. A curiosidade chega a ser tamanha que funciona como um convite para assistir a esse longa que mistura ficção científica, suspense e horror na medida certa.

Cloverfield” inova na maneira de apresentar a história. O esforço é para fazer com que o espectador tenha a impressão de assistir a uma gravação de uma câmera doméstica, como se fosse um registro amador de uma invasão alienígena ou coisa parecida. Tal formato faz com que o espectador tenha apenas uma ideia do que está acontecendo na cidade, mas não uma certeza. O diretor Matt Reeves conduz a história de uma maneira que o espectador apenas compartilha a experiência visual de uma testemunha.

Lançado em 2008, “Cloverfield” lembra outro filme que ousou com artifício similar: “A Bruxa de Blair“, de 1999. Mas as semelhanças param na ideia de sustentar a história com um registro feito pelo próprio personagem com uma câmera na mão. Alguns poderão lembrar ainda da franquia “Atividade Paranormal“, iniciada em 2007. Mas todos esses filmes são propostas completamente diferentes, cada qual tendo seus acertos e falhas.

Cloverfield” surpreende quem, inicialmente, tinha se interessado apenas pelo pôster de divulgação. Porém, é um filme curto, de apenas 85 minutos — descontados os créditos finais, são apenas 80 minutos de filme, que é a duração média de uma fita MiniDV usada  em camcorders — e, por isso, parece que termina antes da hora.

Deixe seu comentário