A experiência visual de “Gravidade”

Publicado em 11 de Fevereiro de 2014
por Welington Gonzaga
A experiência visual de “Gravidade”
# Cinema #
2

Antes de ser um filme, “Gravidade” é uma experiência visual (veja o trailer ou visite o site oficial). Digo isso devido ao bom uso da tecnologia 3D feito pelo diretor Alfonso Cuarón (de “E Sua Mãe Também” e de “Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban”). “Gravidade” pode ser entendida como uma ficção científica dramática, na qual uma astronauta luta pela sobrevivência bem longe da atmosfera terrestre – num lugar sem som, sem oxigênio e a 600km de distância da Terra.

O filme é estrelado por Sandra Bullock e George Clooney. E o elenco não vai muito além disso. De acordo com informações do site IMDb, apenas oito atores integram o elenco principal, sendo que seis deles só aparecem com suas vozes. Sendo assim, são 91 minutos de contemplação ao trabalho “sério” de Sandra Bullock para dar vida à engenheira Ryan Stone. E o desempenho da ex-Miss Simpatia é tão bom que ela está concorrendo novamente ao Oscar. Talvez ela consiga sua segunda estatueta, que seria tão merecida quanto a primeira – quando interpretou Leigh Anne Tuohy em “Um Sonho Possível”, no ano de 2010.

E por falar na maior premiação do cinema mundial, “Gravidade” está concorrendo em 10 categorias: melhor filme; melhor direção; melhor atriz (como já mencionado, Sandra Bullock); melhor fotografia; melhor montagem; melhor trilha sonora; melhor design de produção; melhor edição de som; melhor mixagem de som; e melhores efeitos visuais.

Embora ainda seja cedo para afirmar em quais categorias “Gravidade” tem chances de vencer – isso porque ainda não assisti a todos os filmes concorrentes – acredito que o Oscar de melhores efeitos visuais é um dos mais prováveis de estar garantido. Mesmo havendo fortes candidatos nesta categoria (como “Homem de Ferro 3” e “O Hobbit: A Desolação de Smaug”), “Gravidade” possui algo de inovador em suas cenas. Destaque, por exemplo, para os objetos que flutuam no espaço e, assim, quase saem da tela. Além, claro, da impressionante profundidade obtida com o 3D quando aparecem os astronautas à deriva e com o planeta Terra ao fundo. Vale a pena assistir, mas tem de ser em 3D!

2 Comentários

  1. Iris disse:

    Experiência visual é a melhor definição para ver esse filme. Não é à toa que o vi 3x em 3D…

Deixe seu comentário