Semana do Oscar: “12 Anos de Escravidão”

Publicado em 25 de fevereiro de 2014
por Welington Gonzaga
Semana do Oscar: “12 Anos de Escravidão”
# Cinema #
1

“12 Anos de Escravidão” (veja o trailer) conta a história de Solomon Northup (Chiwetel Ejiofor), um homem livre que nasceu no Estado de Nova York, onde vive com a família. Mas, em 1841, ele é separado da esposa, do filho e da filha, quando é enganado por uma dupla que o leva a Washington. Numa viagem de trabalho – que, na verdade, é uma armadilha – Solomon é sequestrado e vendido como escravo. A partir daí, são 12 anos de sofrimento e de trabalho pesado em plantações (principalmente de algodão) no Estado da Louisiana.

Foto: Divulgação

O filme é uma autêntica mostra de como era a escravidão. Tanto que, a  partir de setembro deste ano, as escolas públicas dos Estados Unidos receberão cópias de “12 Anos de Escravidão” e, também, exemplares do livro de mesmo nome – escrito pelo próprio Solomon Northup, em 1853 – no qual o filme foi baseado. A intenção é usar tanto o filme e quanto o livro nas aulas de história. Assim, os estudantes poderão compreender as crueldades, as injustiças e os males da escravidão, já que tudo isso está escancarado no filme.

Essa é uma daquelas obras que entram merecidamente para a lista de filmes que tratam dos sofrimentos dos negros diante de uma sociedade escravista e racista, da mesma maneira que fizeram “A Cor Púrpura” (em 1985) e “Mississippi em Chamas” (em 1988). O tema é antigo e batido, mas volta e meia é abordado no cinema e, ainda assim, choca e causa impacto.

Durante as 2h14min de “12 Anos de Escravidão” (veja site oficial), questionamentos vem à cabeça do espectador: como os brancos foram capazes de tratar os negros desta maneira? Como um ser humano é capaz de tratar o outro assim? Por que a maioria dos negros não se rebelava? E, além dessas e de outras perguntas, a exploração do branco sobre o negro, sendo vista, causa um abalo moral na essência humana do espectador.

No Oscar 2014, “12 Anos de Escravidão” concorre em 9 categorias: melhor filme, melhor diretor (Steve McQueen), melhor ator (Chiwetel Ejiofor), melhor ator coadjuvante (Michael Fassbender), melhor atriz coadjuvante (Lupita Nyong’o), melhor roteiro adaptado, melhor figurino, melhor montagem e melhor design de produção.

Um Comentário

  1. Pingback: Semana do Oscar: “Capitão Phillips” | Blog Sinóptico

Deixe seu comentário